sábado, 29 de julho de 2017

Prévia de meu livro " A Massa"



Einstein
Einstein nasceu na Cidade de Ulm ,Alemanha,em 1879,num período já de  crescimento do anti-semitismo.O fato das circunstâncias de sua infância terem sido narradas  da maneira que eu disse acima têm a ver com este anti-semitismo crescente na Alemanha e a  atitude Einstein sempre foi marcada desde então por uma reação constante ao preconceito.
Contudo não é verdade que ele fosse propriamente mau aluno.O modo como as pessoas vêem o bom ou ruim depende  da situação em que estão envolvidas e em que foram educadas.
Espera-se sempre,qualquer pai,que os filhos apresentem logo suas armas diante da vida.Desde pequenos  são exigidos sinais de qualidades sociais das crianças e Einstein não demonstrou isso.Mas isto tem que ser revisto,porque Einstein revelou sim sinais de super-dotação científica e matemática.Só que em função do seu auto-conhecimento ele se apegou às suas aptidões  largando de mão o resto.
O romance da ciência é exatamente uma narrativa que se começa historicamente para defendê-la da superstição ,mas vai se transmudando ao longo da história em versão de poder,interesse econômico,arte compensatória e até teatro porque esta visão de Einstein parece sugerir a  necessidade de insuflar em outras uma compreensão de humanidade a estes novo deuses da História ,de modo que não fique uma barreira entre as pessoas comuns e os gênios.
Neste sentido isto é até bom,mas é inverídico e deve ser denunciado.Nestes últimos anos se vem dizendo que Einstein foi um mito:não é bem assim.Ele só não era tão distante e tão independente dos outros como o romance disse.Não há singularidade absoluta na História,mais para frente eu vou colocar inúmeros exemplos desta verdade.Por  agora  é preciso guardar esta revisão.
Einstein II
O que eu aprecio na contribuição de Einstein é que ela deriva de uma trajetória pessoal de luta em busca do conhecimento,coisa  que foi comum no passado e hoje não é por influência deste estado totalitário geral que é o mundo em que nós vivemos.
Outra verdade:Leonardo da Vinci
Leonardo é,como muitos homens da renascença  ,dotado de uma saber universal,mas este  galardão não é assim uma coisa tão perfeita.Existem problemas gnosiológicos,éticos e pedagógicos nesta afirmação.Gnosiológicos porque qual o conhecimento que é objeto do trabalho de Leonardo?Éticos,porque em decorrência disto,podemos saber qual é a sua profissão?E pedagógicos,porque sem analisar estas duas questões não podemos mostrar aos estudantes quem é realmente  a qual a importância desta figura.
Ocorre que na luta do cotidiano a ciência também usa de meios para predominar,que muitas vezes conduzem ao fetichismo,à idolatria.


Idolatria e  educação
Estas atitudes idolátricas,que servem ao propósito de vender,acabam criando uma barreira entre os “ grandes homens” e as  pessoas comuns,principalmente  os alunos,que se inibem.
Tudo passa a ser fundamentalmente imitar estes “ grandes homens” e se não é possível construir as mesmas obras que eles toda a vida estudantil perde sentido.
Isto traz para o professor a tarefa de mostrar que o caminho de cada um é importante,que os “ grandes homens não estão sozinhos”.

Nenhum comentário:

Postar um comentário